quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Galeria dos Mártires - Massacre de Alto Valle

MASSACRE DE ALTO VALLE
BOLÍVIA * 29/01/1974

Os camponeses bolivianos foram vítimas de uma situação econômica desesperadora, durante o governo de Banzer.

Pediram soluções mais seus apelos não foram ouvidos e sua paciência se esgotou.

No alto Valle decidiram bloquear, pacificamente, a estrada de Cochabamba-Santa Cruz, em sinal de protesto. Acharam que só assim seriam escutados. Não queriam fazer provocações e tudo parecia mais uma festa: dividiam a comida que haviam trazido e o som dos “pututus”* e das sanfonas alegravam a noite.

Os paroquianos de vários povoados vinham visita-los e celebravam a missa na estrada.

O bloqueio foi crescendo ao longo de cem quilômetros. Eram quase 20.000 os camponeses engajados e trezentos veículos presos.

O governo mostrou-se inflexível. Finalmente o presidente mandou um general para dialogar com eles. Este, depois, de ouvi-los, voltou a La Paz disposto a interceder em seu favor. Tarde demais, porém. Uma coluna do exército avançou com tanques, caminhões e uma tropa fortemente armada.

Os camponeses pensavam que quem estava chegando era o presidente. Uma vez frente a frente permaneceram imóveis. Um oficial os insultou e uma mulher atirou nele uma pedra. Foi a faísca que desencadeou o ataque feroz.

Estendeu-se o massacre ao longo das estradas de Cochabamba-Oruro, La Paz-Oruro e Sucre-Cochabamba, regando-as com sangue de mais de 200 camponeses cuja voz, mais uma vez, foi silenciada pelas metralhadoras.

* pututu: instrumento musical de convocação usado, até hoje, nhoque foi o Império dos Incas.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada,
a partir do livro: Sangue Pelo Povo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário