sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Galeria dos Mártires - Pe. Domingo Laín

Pe. DOMINGO LAÍN SANZ
Mártir das lutas de libertação
COLÔMBIA * 20/02/1974

Padre Domingo Laín Sanz, nascido em Aragão, no nordeste da Espanha, fez de sua vida uma dedicação aos irmãos, vivendo com uma visão intensa do presente. "Eu tirei conclusão de que para viver em paz consigo mesmo não há nada melhor do que dar-se aos outros, viver cada momento como único, sem a angústia de um futuro que só Deus sabe". Aos poucos, a ideia de estar a serviço da igreja e da comunidade começaram a se diferenciar do que aprendeu no seminário, com base em rituais e não questões terrenas. Ir para as missões nos países do Terceiro Mundo, era a ilusão de muitos seminaristas. No seminário de Zaragoza onde estudou havia dois grupo de seminaristas: Grupo Africano e do Grupo da América, Domingo juntou-se ao primeiro. Deveria ser ordenado padre em 1963, mas seu desejo de ir em missão para África, teve de adiar a ordenação para dois anos depois. 

Recém concluído seus 25 anos, foi ordenado sacerdote em 28 de março de 1965. Em sua cidade natal, celebrou sua primeira missa no dia 17 de abril daquele ano, uma vez que, em maio, tomou posse como pároco aragonês Taussig, onde passou mais de um ano, trabalhando especialmente com jovens Taussig. Em certa ocasião disse estas palavras: "Estou ansioso para poder ir em missão para a América ... Você pode imaginar que haverá muito trabalho e a situação possa ser difícil. Irei com toda a generosidade: o importante é sabermos ser sempre fiel a Deus e aos homens que vamos servir. Amar e entendê-los como são, estar com eles na fome, na injustiça ... Servir os outros é uma das mais elevadas formas de amor" 

Em 26 de agosto 1965, Camilo Torres disse aos cristãos: "a revolução não só é permitido, mas obrigatório para os cristãos", estas palavras teve uma grande influência no mundo e fez com que Domingo se colocasse a disposição de seguir em missão e fosse para a Colômbia, para seguir os passos de Jesus e os compromissos de Camilo. 

Após a morte de Camilo Torres, em 15 de fevereiro de 1966, Domingo apressou sua partida de Taussig, viajou para Madrid para preparar a sua viagem para a Colômbia, onde ele finalmente chegou no final do ano 67. Fez um trabalho pastoral em um dos bairros pobres do sul de Bogotá em Meissen, e também conseguiu emprego para trabalhar em uma fábrica de tijolos. 

A partir desta experiência, disse mais tarde: "Eu experimentei em primeira mão a situação de exploração e miséria da maioria da população". Esta experiência permitiu-lhe conhecer e compreender a dura realidade dos trabalhadores colombianos. E por sua opção pelos pobres e sua identificação com eles, reforçou a sua convicção sobre o papel destes para alcançar uma nova sociedade e da necessidade de pessoas revolucionárias. "Não te deixes vencer, Cristo está conosco. Ele é um de nós. E a história é a história da salvação. Permanecer na história é o que nos faz ser Profetas"

A ousadia de sua obra profética não leva muito tempo para criar problema com a Cúria de Bogotá, que o obrigou a deixar a comunidade. Ele então se mudou para Cartagena, onde viveu em uma paróquia rancho muito pobre. Com a decisão do prefeito de Cartagena de expropriação sem compensação justa das terras de seus vizinhos, Domingo Laín liderou uma manifestação de protesto e, portanto, foi forçado a voltar para Bogotá.

Junto com outros sacerdotes revolucionários, em meados de 68, fundou o grupo de Golconda. Participou em diversas reuniões relacionadas com os sindicatos e dirigentes sindicais de todo o país. Domingo era uma pessoa alegre, que o ajudou a criar empatia com outros lutadores. Foi preso por vários dias e acabou expulso da Colômbia em 19 de abril de 1969, pela divisão de imigração do DAS e forçado a viajar para a Espanha, sem documentos de identidade, dinheiro e sem seus pertences. 

Na Espanha ele teve um diálogo com o bispo, Dom Pedro Pedreiros, a quem explicou a decisão de aderir à guerrilha colombiana. O bispo cedeu aos seus argumentos e deu-lhe a sua bênção.

Em Outono de 1969 Domingo voltou secretamente para a Colômbia, com seus companheiros Manuel Pérez e José Antonio Jiménez, para se juntar à guerrilha do Exército de Libertação Nacional. Desde a sua chegada ao ELN, Domingo atuou como assessor. 

Na ocasião do quarto aniversário da morte de Camilo, Domingo em uma proclamação pública explicou a sua expulsão da Colômbia, devido à sua luta contra o regime político colombiano, e sobre sua decisão de aderir ao ELN, considerando-se o direito da luta armada na defesa do povo e elogiou o socialismo como a única solução possível para os problemas do continente. 

Em 1974, dia 20 de Fevereiro morreu em combate contra as forças do governo na Quebrada de La Llana por seu compromisso com a luta pela libertação do povo.

Um mês depois de sua morte, o grupo de Sacerdotes na América Latina (SAL), Bogotá, falou: "Três anos que passou como um trabalhador e quatro passamos nas montanhas colombianas, seguiu denunciando a injustiça com a sua vida. O único motivo maior deste homem era o amor ao povo. 'Não há maior amor do que dar a vida por seus irmãos'. O caminho escolhido por Padre Domingo Laín foi o cristianismo, e em nome da honestidade é que ele viveu,. Não é um bandido que mataram, mas um cristão, um padre e um político".

Texto elaborado por Tonny da Irmandade dos Mártires da Caminhada,
a partir de pesquisa na Internet e do livro: Sangue Pelo Povo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário