quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Galeria dos Mártires - Mártires de Atitlán

MÁRTIRES DE ATITLÁN
GUATEMALA * 02/12/1990

Santiago Atitlán é um município no Sololá, Guatemala. A cidade está situada no Lago de Atitlán, que tem uma altitude de 5.105 pés (1.556 m). Ela fica em uma baía do Lago Atitlan entre dois vulcões. Vulcão San Pedro a 2.846 metros (9.337 pés) a oeste da cidade; Vulcão Toliman a 3.144 metros (10.315 pés) de sudeste da cidade.

A maioria dos residentes são indígenas maias. Santiago Atitlán é onde está o Centro de Tecelagem Cojolya e Museu, fundado pela Associação Cojolya de Mulheres Maya. O museu mostra a história, tradição e processo de tear, e a evolução do traje tradicional do Tzutujil, os povos indígenas de Santiago Atitlán.

Santiago Atitlán foi o local da violência patrocinada pelo Estado durante a guerra civil.

A população começou a se organizar na igreja e a falar sobre justiça, direitos iguais, harmonia e respeito pela cultura. Uma frase importante que eles se lembravam do Pe. Staley era: "Não há maior amor que dá vida a suas ovelhas".

Desde que O Exército chegou à localidade em 1980, os abusos contra a população civil aumentaram. O primeiro massacre ocorreu na aldeia de San Antonio Chakaya quando um grupo de 10 homens trabalhando nos campos foram confundidos com os guerrilheiros e foram brutalmente assassinados, deixando suas famílias órfãs.

Alguns dos incidentes mais notáveis ​​que ocorreram durante a guerra, incluem o assassinato do Pe. Stanley Rother por esquadrões da morte de direita, em 28 de julho de 1981, e o massacre de 14 pessoas (e outros 21 ferimento) quando o Exército guatemalteco abriu fogo contra uma multidão de civis desarmados, em 2 de Dezembro de 1990.

Os guardas do exército sempre incomodavam as pessoas inocentes; eles sequestravam, maltratavam, e sempre confundia a população civil com os guerrilheiros. Na noite de 02 de dezembro eles sequestram uma pessoa durante a noite. Vizinhos se deu conta de que era uma pessoa inocente e conhecida que estava sendo levado pelos guardas. Então, as pessoas não podiam mais ficar caladas. Eles se reuniram contra os exércitos até formar um grande grupo na frente da igreja católica.

Eles estavam todos juntos para exigirem seus direitos como cidadãos. Mas os militares não entenderam e abriram fogo contra pessoas desarmadas. Assim começou o massacre. O Exército da Guatemala abriu fogo com armas automáticas em uma multidão desarmada de entre 2.000 e 4.000 Tzutujil.

Quatorze pessoas de idade entre 10 e 53 anos, foram mortos; outras 21 ficaram feridas. Duas semanas mais tarde, como resultado da enorme pressão popular e clamor nacional e internacional, o exército foi forçado a abandonar sua guarnição, e Atitlán tornou-se uma das poucas comunidades guatemaltecas de mais de 10.000 habitantes a não ter mais uma base militar.

O que ocorreu no dia 02 de dezembro poderia muito bem ter se tornado apenas o mais recente incidente em uma cadeia de violência política que já custou 50.000 a 100.000 vidas da Guatemala desde 1980. Em vez disso, o massacre teve repercussões muito mais profundas e mais amplas do que qualquer um poderia ter previsto. Ele representa tanto um avanço em uma década de medo e intimidação em Atitlán e um catalisador para a crítica sem precedentes dos militares, tanto dentro da Guatemala como em todo o mundo.

Para marcar este triste acontecimento, foi construído em memória dos mártires, o Parque da Paz, onde foi colocada uma placa com os nomes de cada um desses mártires e no segundo dia de cada mês é celebrada uma Missa para que eles e elas jamais sejam esquecidos.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário