quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Galeria dos Mártires - Pe. Miguel Woodwar

Pe. MIGUEL WOODWARD IRIBARRY
Mártir do povo chileno
CHILE * 18/09/1973

Miguel Woodward Iribarry nasceu em Valparaiso, Chile dia 15 de dezembro de 1930, filho de pai Inglês e mãe chilena. Fez estudos secundários na Inglaterra em um colégio interno dirigido por monges beneditinos. Aos 18 anos começou a estudar engenharia, graduando-se em Engenharia Civil em 1950 no King College Universidade de Londres, e logo depois voltou para o Chile e entrou para o seminário. Foi ordenado padre diocesano na Catedral de Valparaiso em 1961 pelo  Bispo Raúl Silva Henríquez.

Como muitos sacerdotes daquela época, imbuído pelo vento transformador do Concílio Vaticano II, quis ser um padre operário, e passou a trabalhar como torneiro em um estaleiro do porto de Valparaíso e foi também professor de CESCLA (Centro de Estudos e Capacitação para o Trabalho) da Universidade Católica de Valparaíso. Suas opções evangélicas se tornaram cada vez mais radicais em sua caminhada ao lado do povo explorado.

Em 1969, ele renunciou a Paróquia Penablanca e juntou-se ao exercício religioso público: Ele construiu uma casa no vilarejo de Progreso, em Cerro Pleasures de Valparaíso, onde liderou uma comunidade religiosa. Fazia parte do Movimento Cristão para o Socialismo e simpatizava com o governo de Salvador Allende. Entrou para o partido MAPU (Movimento de Ação Popular Unitária) e era um líder local dos Conselhos de Abastecimento e Preços (JAP) lideradas pelo general Alberto Bachelet. Em seguida, ele entrou em conflito com as autoridades eclesiásticas de Valparaiso, por isso foi destituídos das práticas sacerdotais pelo Bispo Tagle Emilio Covarrubias.

Pe. Miguel Woodward foi preso por membros da Inteligência Naval em 16 setembro de 1973, em sua casa em Cerro Placeres, Poblacion Heróis del Mar, no rescaldo do golpe militar. Ele foi levado para um quartel e, em seguida, para o navio Lebu, onde começaram as torturas, após a tortura quase fatal, Woodward foi transferido para o Esmeralda - um navio utilizado ​​pela Marinha do Chile como centro de detenção e tortura dos prisioneiros políticos após o golpe militar de 11 de setembro de 1973.

Conforme o testemunho do segundo no comando do Esmeralda, Eduardo Barison, Pe. Miguel Woodward morreu a bordo do navio por excessiva tortura  infligida. O certificado oficial de mortos indica a parada cardíaca como a causa da morte, enquanto a promotoria argumenta que Woodward morreu em consequência de hemorragia interna causada pela tortura.

Depois de sua morte, foi enviado para a família na Inglaterra, uma certidão de óbito, em que dava como causa da morte parada cardíaca. No entanto, a Marinha escondeu o corpo e falsificou a sua certidão de óbito, enterrando-o presumivelmente, no Cemitério de Playa Ancha, 25 de setembro, em uma vala comum.

O Tribunal de Apelações de Valparaíso, investigando o desaparecimento do sacerdote chileno-britânico e ativista MAPU Miguel Woodward Iriberry, determinou que os agentes envolvidos não vai servir a qualquer pena de prisão. José Manuel García Reyes e Héctor Fernando Palomino López foram condenados a três anos e um dia na prisão, mas concedeu o benefício da liberdade condicional. Atilio Manuel Leiva Valdivieso foi absolvido em razão da demência. Os agentes restantes, Carlos Alberto Miño Muñoz, Marcos Cristián Silva Bravo, Guillermo Carlos Inostroza Opazo, Luis Fernando Pinda Figueroa e Bertalino Segundo Castillo Soto foram absolvidos por falta de provas da participação.

O caso de Miguel Woodward faz parte das relações complexas e confusas, que viveu no Chile, a Igreja e o Estado, nos anos de 1970 e 1980.

A Universidade King College, para demonstrar que sua memória é mantida viva, estabeleceu um premio chamado “Miguel Woodward”, para o estudante que se destacasse não só pelo estudo, mas especialmente por suas qualidades humanas.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário