terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Galeria dos Mártires - Malcolm X

MALCOLM X
Ativista dos Direitos Humanos
NEW YORK, EUA, * 21/02/1965

Malcolm X, um nacionalista Afro-americano e líder religioso, é assassinado por rivais muçulmanos negros.

Nascido em Omaha, Nebraska, em 1925, Malcolm era o filho de James Earl Little, um pastor batista que defendia os ideais nacionalistas negros de Marcus Garvey. Ameaças da Ku Klux Klan forçou a família a se mudar para Lansing, Michigan, onde seu pai continuou a pregar seus sermões polêmicos, apesar das ameaças contínuas. 

Em 1931, o pai de Malcolm foi brutalmente assassinado pela supremacia branca Legião Negra, e as autoridades de Michigan se recusou a processar os responsáveis. Em 1937, Malcolm foi levado de sua família por assistentes sociais de bem-estar. Aos 15 anos ele abandona a escola e se mudou para Boston, onde se tornou cada vez mais envolvido em atividades criminosas.

Em 1946, com a idade de 21, Malcolm foi enviado à prisão. Foi lá que ele encontrou os ensinamentos de Elijah Muhammad, o líder da Nação do Islã, cujos membros são conhecidos popularmente como muçulmanos negros. A Nação do Islã defendia o nacionalismo negro e separatismo racial. Os ensinamentos de Maomé teve um forte efeito sobre Malcolm, que entrou em um intenso programa de auto-educação e tomou o sobrenome "X" para simbolizar sua identidade Africana roubada.

Depois de seis anos, Malcolm foi libertado da prisão e se tornou um ministro fiel e eficaz da Nação do Islã em Harlem, Nova York. Em contraste com líderes dos direitos civis, como Martin Luther King Jr., Malcolm X defendia a auto-defesa e a libertação dos afro-americanos "por qualquer meio necessário". Um grande orador, Malcolm era admirado pela comunidade Afro-americano em Nova York e em todo o país.

No início dos anos 1960, começou a desenvolver uma filosofia mais franca do que a de Elijah Muhammad, a quem ele se sentia não suficientemente apoiado pelo movimento dos direitos civis. Poucos meses depois, Malcolm deixou formalmente a organização e fez uma peregrinação muçulmana a Meca, onde foi profundamente afetado pela falta de discórdia racial entre os muçulmanos ortodoxos. Ele voltou para a América como El-Hajj Malik El Shabazz- e em junho 1964 fundou a Organização dos Afro-American Unity, que defendia a identidade de todas as raças, e o respeito a pessoa humana independente da cor.

Nesta nova etapa da vida de Malcolm, muitos outros seguidores se juntou a ele, e sua filosofia mais moderado tornou-se cada vez mais influente no movimento dos direitos civis, especialmente entre os líderes do Comitê dos Estudantes.

Em 21 de fevereiro de 1965, uma semana após a sua casa ser atacada com bombas incendiárias, Malcolm X foi assassinado com mais de 15 tiros por três homens armados.

Aos 39 anos foi declarado morto no Hospital Columbia Presbyterian, em Nova York.

Mil e quinhentas pessoas compareceram ao funeral de Malcolm em Harlen em 27 de Fevereiro de 1965, no Templo da Igreja Fé de Deus em Cristo (Agora Memorial dos Filhos de Deus em Cristo).

Após a cerimônia, amigos pegaram as pás e enterraram Malcolm no Cemitério Ferncliff em Hartsdale, Nova York.

Os assassinos de Malcolm, Talmadge Hayer, Norman Butler e Thomas Johnson, foram condenados por assassinato em primeiro grau. Os três eram membros da Nação do Islã.

Texto elaborado por Tonny da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário