Galeria dos Mártires - Ir. Barbara Ann Ford

Ir. BARBARA ANN FORD
Mártir da Verdade
GUATEMALA * 05/05/2001

Barbara Ann Ford, freira norte-americana, 64 anos, trabalhou em Quiché desde 1989, foi assassinada em 05 de maio de 2001 enquanto acontecia o julgamento pelo assassinato do Bispo Juan Gerardi, pastor da memória.

Ela tinha colaborado com Dom Gerardi no informativo “Nunca Mais” e ajudado as vítimas da guerra para declararem suas experiencias.

Analistas do governo da Guatemala não excluem que o assassinato da Irmã Barbara Ford foi causado para esconder interesses de setores influentes. "Irmã Barbara Ford, da Congregação das Irmãs da Caridade, tinha ido a Cidade da Guatemala para comprar um aquecedor de água para a aldeia Maya onde ela trabalhava, e, quando dirigindo seu veículo por um bairro nobre da cidade foi abordada por três homens estranhos que a fizeram parar na esquina de uma rua, onde roubaram seu carro, tipo de crime, acreditamos que poderia ser um crime político", considera o analista Fernando, Coordenador da Secretaria de Análise Estratégica, instituição de auxílio da Igreja Católica em Quiché.

Inicialmente, o Ministério do Interior descreveu seu assassinato como um outro caso de crime comum, referências policiais citando testemunhas oculares que aparentemente disse que a religiosa haviam sido atingida na cabeça por tiros ao tentar segurar seu veículo, impedindo os ladrões de levá-lo. O curioso é que o veículo foi abandonado mais tarde, a menos de dois quarteirões de onde ela foi morta. Outro fato curioso é que neste bairro nobre onde a Irmã Barbara foi abordaram, tem a sede das unidades militares mais importantes da Guatemala. Por exemplo, o edifício da Guarda de Honra e da antiga Escola Politécnica do Exército, que agora abriga o Ministério da Defesa, estão na vizinhança, e mesmo a residência do ministro, a Casa Crema. Por conseguinte, a área é forte e constantemente protegido por militares, o que nos faz perguntar por quê os ladrões elegeram justamente este local para praticar o crime? 

Vários dias após o assassinato da freira, uma analista da Secretaria de Assuntos Estratégicos do Governo, a agência de inteligência do Estado, declarou publicamente que as circunstâncias da vítima e do tipo de crime sugerem que o assassinato poderia ter motivos políticos.

A anistia internacional acredita que as investigações devam prosseguir até que os responsáveis sejam julgados.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Galeria dos Mártires - Joilson de Jesus

Galeria dos Mártires - Irmã Adelaide Molinari

Galeria dos Mártires - Jimmie Lee Jackson