quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Galeria dos Mártires - Myrna Mack Chang

MYURNA MACK CHANG
Mártir dos Direitos Humanos
GUATEMALA * 11/09/1990

Myrna Mack Chang nasceu em 24 de outubro de 1949, em Retalhuleu, Guatemala. Formou-se como professora primária do Monte Mary College, em 1967, mais tarde frequentou a Escola de Serviço Social do Instituto Guatemalteco de Segurança Social em que fechou em 1971. Estudou antropologia social da Universidade de Manchester, na Inglaterra; tendo obtido o grau de mestre na Universidade de Durham, no mesmo país. Em 1982, depois de ter apresentado a sua tese de conclusão do curso universitário "Da organização popular para a mobilização em massa na Nicarágua: o caso de Estelí", voltou à Guatemala e juntou-se a equipe Inforpress Central, onde atuou por vários anos como jornalista, analista e escritora sobre desenvolvimentos econômicos e políticos da região.

É assim que ela encontra um grupo de pessoas com quem partilhou a preocupação de criar um centro de pesquisa para resolver os problemas urgentes da sociedade guatemalteca. A iniciativa foi uma resposta à observação de uma lacuna de conhecimento existente sobre as questões da realidade social da Guatemala, especialmente decorrentes da violência contra setores intelectuais na primeira metade da década de 80. 

Nasceu, então, a Associação para o Avanço da Ciências Sociais na Guatemala - AVANCSO-, organização em que Myrna implementa seu conhecimento da antropologia social e sua forte vocação para o compromisso social e humano que cresceu a partir de sua juventude. 

Durante a década dos anos oitenta a Guatemala sofreu o período mais intenso da guerra interna. O estado desenvolveu neste período, uma implacável repressão política com uma concepção ampla e indiscriminada de "inimigo interno" que afetou os diferentes setores da sociedade civil, estivesse ou não envolvidos com os movimentos insurgentes. A população mais afetadas por essa política de estado era os camponês, particularmente indígena. Homens e mulheres, crianças e idosos foram, sem distinção alguma, vítimas de atrocidades nunca antes vistas na América Latina desde a conquista. 

Como resultado desta campanha de terror, a população sobrevivente foi forçado a mudar para áreas florestais ou montanhosas. O mudança foi uma continuação do martírio, a fome e a perseguição que sofriam tiveram como consequência novos confrontos e até morte. Isso tudo representou uma enorme carga emocional que foi adicionado ao abandono em que suas comunidades e famílias estavam vivendo e por vezes, morrendo em extremo sofrimento, bem como a incerteza sobre o destino dos que ficaram vivos. 

Foi a consciência deste drama humano e do contato com setores da Igreja Católica próxima a esta população desprezada, o que motivou a AVANCSO e particularmente a Myrna, a envolver-se em pesquisas que permitiria desvendar esta realidade. Foi a revelação destas condições sofrida em que a população viviam o fator determinante que causaram a fuga e impediram o seu regresso. O objetivo final foi o de promover uma política de reinserção com segurança e dignidade. 

Por seus compromissos com a população, foi assassinada por dois indivíduos no dia 11 de setembro de 1990, caiu morta por cerca de 27 golpes de faca. O assassinato de Myrna Mack Chang, está intimamente relacionado com o seu pioneiro trabalho de pesquisa acadêmica sobre as populações refugiadas durante o conflito armado interno guatemalteco, e representa não apenas a violação dos mais básicos dos direitos humanos, o direito à vida, mas também é símbolo de uma era de impunidade e repressão em que certas atividades e pontos de vista foram considerados pelos órgãos de segurança Estado como atentados contra a segurança nacional.

Tanto sua vida e seu trabalho profissional, bem como o contexto sócio-político em que ambos se desenvolveram, explica perfeitamente a falta de sentido deste um crime. A luta para investigar, processar e punir todos os responsáveis ​​por este brutal assassinato - tanto físico como intelectual -  se tornou uma luta nacional, um paradigma dos principais problemas apresentados nos processos criminais por violações de direitos humanos na administração da justiça da Guatemala. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário